Assim!

Se alguém te perguntar
Com que se parece
A perfeita satisfação
De todo o nosso êxtase
Ergue o rosto,
E diz:

— Assim.

Quando alguém mencionar a graciosidade
Do céu noturno, sobe no telhado
E dança , e diz:

— Assim.

Se alguém quiser saber o que é o espírito
Ou o que significa a fragrância de Deus
Curva tua face em sua direção
Mantém o rosto colado

— Assim.

Quando alguém citar a velha imagem poética
Das nuvens que pouco a pouco encobrem o luar
Lentamente afrouxa os nós do teu manto

— Assim.

Se alguém te perguntar como Jesus ergueu os mortos
Não tenta explicar o milagre
Beija-o nos lábios.

— Assim. — Assim.

Quando alguém te perguntar o que significa
“Morrer de amor”, aponta

— Aqui.

Se alguém perguntar tua estatura, franze o cenho
E mede com teus dedos o espaço
Entre as rugas de tua testa.

— Desta altura.

A alma às vezes deixa o corpo, então retorna.
Quando alguém não acreditar nisso,
Caminha de volta à minha casa

— Assim.

Quando os amantes sussurram
Estão contando nossa história.

— Assim.

Eu sou um céu onde espíritos vivem
Mira este azul profundo
Enquanto a brisa conta um segredo

— Assim.

Quando alguém te perguntar
O que há para ser feito
Acende uma vela em suas mãos.

— Assim.

Como o perfume de José chegou a Jacó?

— Huuuuu.

Como Jacó olhou de volta?

— Huuuuu.

Um vento suave limpa os olhos

— Assim.

Quando Shams retornar de Tabriz
Sua face surgirá por detrás de uma porta
Para nos surpreender

— Assim.

Jallaluddin Rumi
Poeta Sufi do séc. XIII
From ‘The Essential Rumi’, Translations
by Coleman Barks with John Moyne
Translated to Portuguese from the English translation
By Alexandre Costa e Silva

A minha política: Liberdade, Igualdade, Dia, Noite, Direita, Esquerda…

Liberdade e igualdade, individualismo e coletivismo, são opostos complementares, como o dia e a noite. O sol da manhã nos banha de luz, distinguindo nossas diferenças, a noite as mistura numa escura massa amorfa.

Não sou Militante por este motivo: que razão haveria em ser partidário da Noite, em que o perigo espreita, e qualquer coisa que se move poderia ser um inimigo? E como defender o sol, que queima minha pele e deixa cicatrizes ardentes? Não.

Defendo o sol que nutre as criaturas com seu calor, e faz as plantas deitarem oxigênio ao meu redor, e a noite, que acolhe meu cansaço e embala o meu sono. No romper da aurora, como ser partidário do dia, se busco a sombra contra os abusos do sol?.

Defendo a noite, que torna as coisas indistinguíveis, e abre as portas para os reinos oníricos. No crepúsculo, como ser partidário da noite, se busco luzes artificiais, para continuar vendo as coisas distintamente, em sua sagrada individualidade, paradoxalmente forjada do íntimo acordo das células, e construo para mim abrigo contra as feras que surgem do breu desconhecido e ameaçador?

Se Direita é conservadorismo, manter as coisas como estão, isso não é bom, nem mau em si mesmo. Se Esquerda é abalar as estruturas e mudar o status quo, isso não é bom, nem ruim em si mesmo.

Há lugares neste planeta em que a noite dura muito, como longos são os dias. Mas não existe lugar no Universo em que a alternância possa ser evitada, quando um modo de ver as coisas atinge seu ponto de saturação e começa a tentar estancar o movimento.

A Realidade é fluxo, movimento, alternância. Que o dia nasça no Brasil, e que o sol de uma manhã florida alegre o coração de quem sabe, de dentro de seu castelo de pele, carne e ossos, que em seu coração, há uma janela para todos os outros corações.