Caminante, son tus huellas el camino, y nada más; caminante, no hay camino, se hace camino al andar. Al andar se hace camino, y al volver la vista atrás se ve la senda que nunca se ha de volver a pisar. Caminante, no hay camino, sino estelas en la mar.

Antonio Machado (1875-1939)

Bela paisagem da temporalidade.

E pensar que nesta igreja almas ardentes, verdadeiramente tementes ou amantes a Deus suspiraram sua devoção… Hipócritas acenderam dentro de suas paredes velas para imolarem suas culpas… E tudo isso jaz sob a água, e os que nela viveram, rezaram, suspiraram, e experimentaram suas maiores esperanças jazem sob a terra, enquanto os acolheu o manto do esquecimento no mundo. Que será deles no próximo?

Isto também passará.

Alexandre Costa

inothernews:

DROWN; UP The ruins of a church in the Andean town of Potosi in January 2009 (top) and now. The 25-metre-tall church and ruins of a town flooded in the early 1980s have emerged from the Uribante-Caparo reservoir after a drought reduced water levels.  (Photo: Reuters via the Telegraph)

Reflexão

Aqueles psicólogos que melhor executam o seu trabalho são os que, em algum momento da vida, notadamente durante uma crise terrível, alienaram-se no outro, esquecendo-se de si mesmos e vivendo segundo as espectativas e os desejos de alguém. Após voltarem ao prumo, estas são pessoas sensíveis, dotadas de um raro talento para colocarem-se na pele de seus pacientes.

Alexandre Costa e Silva

(nota para um post mais longo no Diário de um Psicoterapeuta)

Tutorial: sincronizando iPhone com 2 computadores | Garota Sem Fio, a tecnologia móvel no dia-a-dia, por Bia Kunze

Tutorial: sincronizando iPhone com 2 computadores | Garota Sem Fio, a tecnologia móvel no dia-a-dia, por Bia Kunze

O silêncio pode ser:
A incompetência dos tolos, a estupefação dos buscadores, a resposta dos sábios ou a eloqüencia do mistério…
Do vazio absoluto emerge tudo, como no supremo paradoxo da criação.
Pode-se criar milhões de línguas, e todas elas falharão em exprimir o que o silêncio exprime por sua própria e simples natureza. No silêncio, o falador e a coisa dita (ou as tantas não ditas) se confundem e se identificam.
Quando se está em Deus, tudo que se come, respira ou fala, é Deus.
E também o que envenena, sufoca e silencia.
Deus é tese e antítese, e para ele, a dialética é uma cauda de lagartixa que se mexe aquém do bicho, que se foi, fagueiramente, e cujo movimento desvanecerá no próximo minuto.

Alexandre Costa e Silva
(Inspirado pela paisagem do parque do Cocó, na caminhada que estou a fazer neste instante).